Veja como ter um envelhecimento saudável com 5 dicas

postado em: Saúde | 0

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve grande aumento na expectativa de vida da população mundial. Isso aconteceu tanto por questões de melhoria e conscientização referente aos hábitos de saúde quanto pela redução da taxa de fecundidade. Assim, considerando que ainda viveremos por muitos anos, conhecer como ter um envelhecimento saudável é fundamental, você concorda?

São muitos os desafios que permeiam o aumento da expectativa de vida. Contudo, em regras gerais, é essencial investir no bem-estar físico, social e mental. Assim, você se mantém ativo e com muita saúde.

Quer saber como ter um envelhecimento saudável? Confira as nossas 5 dicas!

1. Cuide da alimentação

Melhorar a qualidade da sua alimentação é fundamental para aumentar a expectativa de vida.

Para ter uma dieta saudável, é necessário reduzir o açúcar e também a quantidade de sal, além de investir no consumo de frutas e verduras. Outra dica importante é comer peixe pelo menos duas vezes na semana, visto que ele é rico em ômega 3 e previne diversas doenças.

O processo será ainda melhor se você investir em uma consulta ao nutricionista, que avaliará a sua saúde. Assim, ele pode elaborar um plano alimentício personalizado para o seu organismo.

2. Não fume

O cigarro, em conjunto às bebidas alcoólicas, é um dos piores malefícios para a saúde. Por isso, a regra é bem clara: não fume.

Manter esse comportamento (ou mesmo esse vício!) aumenta a produção de radicais livres no organismo, conduzindo o seu corpo ao envelhecimento precoce.

3. Pratique atividades físicas

É fundamental investir em atividades físicas que proporcionem o seu bem-estar. A rotina de exercícios ajuda no aumento da flexibilidade e do fôlego, no equilíbrio e na força para as mais diferentes atividades.

Se você não é praticante de esportes, comece investindo em boas caminhadas ou hidroginástica — o importante é encontrar uma atividade física que você goste.

4. Beba muita água

A água é a principal responsável por transportar os nutrientes, sais minerais e oxigênio por todo o nosso organismo. No sistema digestivo, ela também ajuda na excreção e absorção.

Sendo assim, além de investir em uma alimentação e lanches saudáveis, beba pelo menos dois litros de água por dia. Isso ajuda a reduzir o inchaço, afasta as infecções e proporciona um envelhecimento saudável.

5. Cuide da saúde da sua mente

Além das atividades físicas, invista também na saúde da sua mente. Para isso:

  • leia bons livros;
  • vá ao cinema assistir filmes interessantes;
  • jogue com os seus amigos;
  • aprenda uma nova língua;
  • faça caça-palavras.

Essas atividades são essenciais para estimular o raciocínio e fortalecer o cérebro, prevenindo a perda de memória.

Considerando que a expectativa de vida da população mundial está cada vez mais alta, é fundamental investir em ações para promover um envelhecimento saudável. Para isso, estabeleça uma alimentação equilibrada, não fume, pratique atividades físicas, beba muita água e nunca deixe de cuidar de sua saúde mental.

Você gostou de nossas dicas? Então temos certeza de que vai adorar se inscrever na nossa newsletter e receber nossos conteúdos por e-mail. Assine agora mesmo!

Entenda como a má alimentação pode causar cansaço excessivo

postado em: Estilo de Vida | 0

O intuito de nos alimentarmos é ter mais energia e disposição ao longo do dia, certo? Na verdade, nem sempre isso acontece, pois há quem sinta cansaço excessivo após as refeições e, nesse caso, o erro está no tipo de alimento ingerido.

Alguns grupos alimentares em vez de nos deixarem bem-dispostos causam o efeito contrário, e neste post nós vamos explicar por que isso acontece. Continue a leitura e entenda como a alimentação pode nos deixar cansados, além de conferir algumas dicas para evitar que isso aconteça.

O cansaço excessivo e a alimentação

Para fazer a digestão dos alimentos nosso organismo precisa de energia. Quando as substâncias ingeridas são mais leves, o gasto energético é menor. Porém, quando é preciso metabolizar gorduras e açúcares, por exemplo, o corpo tem maior dificuldade, então, gasta mais energia.

É por isso que após algumas refeições podemos sentir cansaço excessivo. Depois daquela macarronada de final de semana com churrasco e tudo que se tem direito, é comum nos sentirmos sonolentos e cansados, justamente porque o corpo gasta energia para metabolizar essas moléculas.

Além disso, alimentos refinados também podem provocar a sensação de cansaço excessivo. A farinha de trigo branca e o açúcar comum, por exemplo, são rapidamente absorvidos pelo organismo e dão energia, mas seu efeito passa rápido e logo vem a indisposição.

Alimentos que ajudam a combater o cansaço

Assim como há alimentos que causam cansaço excessivo, existem aqueles que nos ajudam a combater essa condição. Para quem precisa de muita energia ao longo do dia é importante acrescentá-los ao cardápio, garantido disposição e mais concentração. Confira os principais deles!

Feijão

Contém diversos nutrientes, como ferro, zinco e potássio, além de aminoácidos que são essenciais para o nosso organismo, por isso, fornece muita energia.

Banana

Além de conter açúcar, a banana é fonte de vitamina B6, que também ajuda na produção de energia, proporcionando mais disposição.

Aveia

Rica em vitaminas do complexo B, estimula a produção de energia ao longo do dia, melhora as funções cerebrais o humor, ajuda a reduzir o colesterol e equilibra a absorção dos açúcares.

Couve

É rica em vitamina B9, ou seja, ácido fólico. Ela ajuda na formação de neurotransmissores e também nas funções cerebrais, melhorando disposição mental.

Outros alimentos que também combatem o cansaço excessivo são:

  • escarola;
  • brócolis;
  • ovos;
  • peixes;
  • amendoim;
  • tomate;
  • cenoura;
  • sementes;
  • lentilha;
  • laranja.

Todos eles alimentos são fontes de vitaminas do complexo B. Além de trazerem diversos benefícios para a saúde, ajudam na metabolização de macronutrientes, isto é, aquelas moléculas mais difíceis de serem digeridas. Elas também ajudam a produzir energia a partir dos carboidratos ingeridos, então, você sentirá mais disposição mental e física.

É interessante acrescentar ao seu cardápio alimentos integrais, que mantêm a energia do corpo porque seus nutrientes são absorvidos lentamente. As frutas também são energéticas, pois contêm frutose, um tipo mais saudável de açúcar, além das fibras, que melhoram o funcionamento do intestino e favorecem a absorção de nutrientes.

Dicas alimentares para eliminar o cansaço excessivo

Além de colocar esses alimentos especiais em seu cardápio, você também pode adotar hábitos alimentares para combater o cansaço excessivo. Veja algumas dicas do que fazer para ter mais disposição!

Faça um café da manhã balanceado

Evite gorduras e açúcar em excesso para facilitar a digestão e invista em alimentos nutritivos.

Evite alimentos industrializados

Prefira frutas, queijos frescos, iogurte, sucos naturais, entre outras opções com poucas substâncias químicas e menos processados.

Prefira produtos integrais

Evite a farinha de trigo branca para facilitar a digestão e ter energia ao longo do dia.

Alimente-se no mesmo horário

Procure fazer suas refeições nos mesmos horários para regular o relógio biológico e garantir ao corpo os nutrientes que ele precisa.

Beba água

Sucos e refrigerantes não substituem a água. Então, hidrate-se ao longo do dia para ficar bem-disposto e ativar o metabolismo.

Os alimentos são nosso combustível, por isso, se você tiver um cardápio de qualidade não sentirá cansaço excessivo ao longo do dia. Procure adaptar a sua dieta ao seu ritmo de vida para usufruir de todos os benefícios que os grupos alimentares podem oferecer.

Você tem alguma receita especial ou consome algum alimento para ter mais energia? Deixe seu comentário e divida com a gente!

3 dicas para melhorar a flexibilidade corporal

postado em: Fisioterapia | 0

Com o passar dos anos e a falta da prática de atividades físicas a gente vai perdendo a flexibilidade corporal. Essa mudança é totalmente normal, afinal, se você não utiliza certos recursos do corpo eles ficam “enferrujados”.

No entanto, a flexibilidade é muito importante para manter a saúde, rejuvenescer e aumentar a qualidade de vida. Ela ajuda na execução de tarefas simples do dia a dia e dá mais vitalidade tanto nos momentos de trabalho, quanto nos de lazer.

Quer saber como recuperar a sua flexibilidade ou manter o corpo flexível? Então, não deixe de conferir o nosso material até o fim!

O que fazer para melhorar a flexibilidade corporal?

Como visto, o corpo que para de se exercitar perde algumas funções. Por isso, é essencial praticar alguma atividade de modo a aumentar a movimentação. No entanto, a flexibilidade vai muito além disso, entenda a seguir!

1. Alongue-se

Para manter uma boa movimentação dos membros e melhorar a sua flexibilidade é indispensável se alongar. Esses tipos de exercícios preparam os músculos para a prática de esportes e, até mesmo, para as atividades do dia a dia.

Ao se alongar você não somente melhora a flexibilidade corporal, como também evita as cãibras, alivia dores, previne lesões, relaxa o corpo, entre outros benefícios. Entretanto, o alongamento não é milagroso, é preciso praticá-lo diariamente para que os resultados sejam alcançados e ter progressos significativos.

2. Respire corretamente

Você sabia que a respiração correta é uma grande aliada da flexibilidade corporal? Isso acontece porque ela ajuda a relaxar o corpo e, ao fazer isso, fica muito mais fácil de avançar nos exercícios.

Por isso, ao se movimentar durante os alongamentos preste atenção em sua respiração e a utilize a favor da atividade. Ademais, não se esqueça de respirar corretamente ao longo do dia para oxigenar bem todo o seu corpo.

3. Beba água

Beber bastante água ao longo de dia é essencial para a saúde. Ela é essencial em diversas funções do corpo, bem como a flexibilidade. Sem a água o organismo fica em estado de desidratação, um importante fator de risco para lesões.

Quando se bebe água o suficiente, você também ajuda a lubrificar partes do seu corpo, como as juntas e os músculos. Além disso, permite-se que o organismo controle a temperatura por meio da produção do suor.

Quais são os benefícios da flexibilidade?

Agora que já sabe como melhorar a flexibilidade corporal, você pode entender o porquê de ela ser tão vantajosa para a saúde do seu corpo. Confira seus principais benefícios:

  • diminui as chances de lesões ao longo de seu dia e na prática de esportes;
  • facilita a execução de atividades rotineiras;
  • melhora a circulação sanguínea;
  • favorece a respiração;
  • ajuda a desenvolver maior coordenação motora;
  • previne cardiopatias;
  • promove a qualidade de vida.

Portanto, não deixe de cuidar da sua saúde e permitir que seu corpo “enferruje”. Tire um tempo para você, invista na flexibilidade corporal, pratique alongamentos, beba bastante água e respire corretamente. Dessa forma, é possível viver melhor e mais feliz!

Gostou de saber um pouco mais sobre como e por que melhorar a flexibilidade corporal? Compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais para que eles também fiquem por dentro das dicas! 

Aprenda 5 exercícios para fortalecer o joelho

postado em: Fisioterapia | 0

Fazer exercícios para fortalecer o joelho é fundamental para manter a estabilidade dessa estrutura. Afinal, ela é muito complexa e uma das mais importantes do corpo, já que ajuda a sustentar todo o nosso peso. Por isso, precisa de cuidados durante toda a vida.

Mas quando falamos em fortalecimento do joelho, na verdade estamos nos referindo à musculatura que auxilia na movimentação e estabilização dele. Ao trabalharmos esses músculos, protegemos a estrutura, evitando que lesões aconteçam e minimizando dores.

Alguns exercícios precisam ser praticados com o auxílio de aparelhos específicos, mas existem outros que podem ser feitos em casa. Veja nossa lista com algumas sugestões para que você mantenha essa parte do corpo ativa e ganhe mais força e resistência nela.

1. Ponte

Para fazer a ponte você deve se deitar de barriga para cima, de preferência no chão, para ter uma superfície firme. Estenda os braços ao longo do tronco e flexione os dois joelhos. Em seguida, eleve o quadril sem movimentar as pernas.

Procure manter um ângulo reto entre o tronco e as coxas, depois desça devagar. Repita o exercício 10 vezes, faça uma pequena pausa de 30 segundos e execute mais duas sessões de 10 movimentos.

2. Elevação de perna deitado

A elevação de perna pode ser praticada com ou sem tornozeleira, dependendo do seu nível de condicionamento. Deite-se de costas, mantendo os braços estendidos ao longo do corpo. Uma das pernas deve ser flexionada, enquanto a outra permanece estendida. Esta deve ser elevada, mantendo o joelho sempre esticado e a ponta do pé apontando para cima.

Abaixe a perna devagar, repetindo o movimento 10 vezes. Troque a perna, flexionando essa que foi trabalhada e estendendo a que permaneceu flexionada. Faça 10 movimentos com ela, descanse cerca de 30 segundos e repita os movimentos em mais duas sessões.

3. Agachamento

O agachamento é um dos melhores exercícios para fortalecer o joelho. Para praticar você apenas precisa ficar em pé, mantendo as pernas afastadas, mais ou menos na largura dos ombros. Estenda as mãos para frente a fim de ter equilíbrio na hora de executar o movimento.

Devagar, flexione os joelhos como se fosse sentar-se em um banco. É muito importante projetar o quadril para trás, manter a coluna reta e não deixar que o joelho ultrapasse a ponta do pé. Faça três sessões de 10 movimentos, descansando entre elas.

4. Afundo

O afundo deve ser praticado em pé, mantendo as pernas separadas, uma à frente e outra atrás, em um passo largo. Permaneça com o tronco sempre ereto durante a execução desse exercício, para não forçar a coluna, e contraia o músculo do abdômen.

Flexione o joelho da frente e o de trás ao mesmo tempo, a ponto de ele quase tocar o chão. Fique atento para que o joelho da frente não ultrapasse a ponta do pé. Levante-se e repita o movimento até contabilizar 10 vezes, depois, troque a perna. Faça três sessões, descansando entre elas.

5. Flexão de perna em pé

Esse é outro dos exercícios para fortalecer o joelho que você pode praticar utilizando ou não tornozeleiras. A flexão de perna é um movimento muito fácil que deve ser praticado em pé, apoiando as mãos numa parede ou algo que garanta equilíbrio.

Mantenha o tronco ereto e os joelhos esticados. Devagar, flexione uma das pernas o máximo que você conseguir, permanecendo sempre com as coxas paralelas. Repita o movimento 10 vezes, depois troque a perna e descanse cerca de 30 segundos. Faça três sessões com cada perna.

Para que os exercícios para fortalecer o joelho tragam resultados ainda melhores, sem risco de lesões, é interessante consultar um profissional. Ele avaliará seu condicionamento físico e suas necessidades para indicar a você aqueles que trarão mais benefícios. Mas o importante mesmo é não ficar parado para manter o corpo saudável.

Gostou destas dicas? Então assine nossa newsletter e receba outros conteúdos interessantes diretamente em seu e-mail!

4 exercícios para dor nas costas que você precisa conhecer

postado em: Saúde | 0

Você costuma ter desconfortos na região lombar? A prevenção dessas e demais dores é importante para todas as pessoas, em especial, para aquelas que trabalham diariamente sentadas ou em pé (na mesma posição). Por isso, conhecer quais são os principais exercícios para aliviar a dor nas costas é fundamental para melhorar a qualidade de vida.

Isso acontece porque os exercícios são uma maneira poderosa para diminuir o risco de desconfortos lombares. Afinal, ficar sentado esperando a dor passar, não é uma atitude eficaz, não é mesmo?

Por isso, preparamos este post para você! Confira agora mesmo 4 exercícios para prevenir e tratar as dores nas costas. Vamos lá?

1. Alongamentos

Os alongamentos são exercícios muito importantes para prevenir as lesões. Além disso, eles são fundamentais, tanto antes quanto depois, para a realização de qualquer outra atividade física, como corrida, caminhada, musculação, natação, pilates etc.

Como fazer: em pé, junte as suas pernas e dobre o corpo para frente, mantendo as pernas esticadas. Permaneça por trinta segundos nessa posição. Isso permite uma maior flexibilidade dos músculos, promovendo o estiramento das fibras musculares.

2. Perdigueiro no solo

O perdigueiro no solo é um exercício para fortalecer os músculos, promovendo mais resistência do organismo.

Como fazer: fique com os joelhos e as palmas das mãos no chão. Erga a mão direita no mesmo instante em que estende a perna esquerda, fazendo com que eles fiquem paralelos ao chão. Permaneça nessa posição por trinta segundos e depois troque o lado.

3. Ponte ventral

A ponte ventral é um exercício para melhorar o condicionamento físico e fortalecer os músculos. Além disso, ao fortalecer o abdômen você evita que a região da coluna faça uma curvatura e fique acentuada, evitando problemas nessa parte do corpo.

Como fazer: fique na posição de quatro apoios, colocando os antebraços no chão. Eleve o quadril e os joelhos mantendo uma posição de isometria, contraindo os glúteos e também o abdômen. Realize três séries de 20 segundos em isometria.

4. Extensão lombar no solo

A extensão lombar é um excelente exercício para melhorar as dores nas costas, porque trabalha com toda essa região promovendo o fortalecimento dos músculos.

Como fazer: fique na posição de decúbito ventral, com os braços estendidos na parte superior da cabeça. As pernas também precisam estar estendidas para que você possa realizar um leve movimento de extensão lombar. Para isso, eleve as pernas e braços do solo, fazendo três séries de 10 movimentos.

A dor nas costas é um problema muito comum da população. Normalmente, ela é causada porque as pessoas passam muito tempo sentadas ou em pé, sendo impossível ficar com a coluna reta em tempo integral.

Desse modo, conhecer os principais exercícios para dor nas costas é uma maneira eficiente para prevenir e até mesmo acabar com esses desconfortos. Além disso, para melhorar a qualidade de vida, é interessante também investir em atividades físicas regulares e uma dieta saudável.

Gostou do nosso post? Então, que tal compartilhar nas redes sociais? Assim, seus amigos também poderão aprender os exercícios!

Dor nas costas na hora de dormir: veja o que você pode fazer

postado em: Saúde | 0

A dor nas costas é um dos problemas mais comuns de saúde e afeta em média 80% das pessoas no mundo. Obviamente, essas dores interferem diretamente nas noites de sono, em função do total desconforto que inevitavelmente ocorre quando algo não está bem no nosso organismo.

O mais importante é entender que ninguém precisa conviver com esse incômodo para sempre. Afinal, dormir bem é essencial para repor as energias, promover uma boa manutenção do corpo, solidificar a memória e também para regular a temperatura corporal.

Ou seja, se a dor nas costas é uma das causas das noites maldormidas, prejudicando inclusive a qualidade de vida e bem-estar geral da pessoa, então é preciso tomar uma atitude para mandá-la para bem longe.

Quer conferir algumas dicas sobre o que fazer para evitar esse problema? Então, leia as dicas a seguir.

Cuidar da sua postura é o primeiro passo

É muito importante corrigir a postura durante o dia. Porém, no período noturno, isso também é fundamental, já que dormir em uma posição inadequada pode comprometer as articulações, deixando-as tensas.

A posição correta para dormir é deitar de lado, com a cabeça no travesseiro e os joelhos dobrados, separados por outro travesseiro mais fino. Isso alinha a coluna vertebral e deixa o seu organismo em uma disposição confortável para o devido descanso.

Vale a pena investir em uma cama aconchegante

Outro aspecto que influencia diretamente no seu repouso e também previne a dor nas costas é a qualidade dos recursos que você utiliza para descansar. Um colchão muito velho, muito duro ou macio demais, por exemplo, pode ocasionar problemas na sua rotina noturna.

Por isso, escolha um colchão de acordo com o seu gosto, mas que seja feito de materiais de qualidade e adequado para o biótipo de quem vai usá-lo. Na dúvida, peça ajuda ao seu médico sobre o colchão ideal — ele conhece o seu problema e seu organismo e pode indicar o tipo mais adequado para o seu caso (colchões ortopédicos, molas ensacadas ou espuma).

Além disso, para melhorar a qualidade do seu sono é fundamental investir em exercícios físicos e ter uma dieta saudável. Dessa maneira, há mais garantias de que o seu organismo vai funcionar corretamente, garantindo o repouso ideal.

É preciso escolher (e usar) o travesseiro certo

Travesseiros muito altos ou muito baixos podem agravar a dor nas costas. Por isso, escolha um modelo que seja adequado ao seu corpo.

É essencial experimentar o travesseiro antes de efetivar a compra. Assim, você tem a certeza de que a sua coluna ficará na posição correta e evitará dores nas costas.

Além disso, também é importante verificar o prazo de validade do travesseiro. Isso porque ele costuma acumular 300 mil ácaros e bactérias em apenas três meses de uso — o que traz consequências negativas para a sua saúde.

A dor nas costas é um problema muito comum na vida das pessoas. Contudo, quando não dormimos bem, o dia seguinte é sempre uma tortura. Isso acontece porque durante o sono o nosso organismo se recupera e descansa, para que tenhamos energia para o dia seguinte. Por isso, saber o que você pode fazer para diminuir esses desconfortos é fundamental para garantir a qualidade de vida.

Neste post, você conferiu algumas dicas para dormir melhor, mesmo sofrendo de dor nas costas. Se você achou este conteúdo interessante, não pode deixar de compartilhá-lo nas suas redes sociais. Dessa forma, os seus amigos também podem aprender a como dormir bem!

Quais os benefícios de usar tornozeleira ortopédica?

postado em: Fisioterapia | 0

Seja na prática de esportes e exercícios físicos, no trabalho ou nas atividades rotineiras, as pessoas podem sentir dores e incômodos nos tornozelos. Mas esses desconfortos são minimizados ou prevenidos com o uso de uma tornozeleira ortopédica.

Ela é um equipamento interessante para evitar que as sensações dolorosas se manifestem ou aconteçam lesões nessa articulação. Por isso, existem diferentes tipos no mercado que atendem a necessidades distintas.

Para que você entenda melhor sobre o uso de tornozeleiras e os seus benefícios, fomos conversar com o Dr. Tiago Doyle, médico ortopedista especialista em cirurgia do pé e tornozelo e cirurgia do trauma. Continue lendo este artigo e saiba mais sobre o assunto.

O que é uma tornozeleira ortopédica?

A tornozeleira ortopédica é um equipamento usado com o intuito de proteger a articulação do tornozelo. Suas funções variam entre manter uma compressão, evitar deslocamentos e lesões, melhorar a coordenação muscular e, em alguns casos, imobilizar o tornozelo.

Também possibilita manter essa articulação aquecida, minimizando dores provocadas por temperaturas baixas. Essa é uma característica interessante para quem tem problemas que se agravam nessas situações, como a artrose.

Quando ela deve ser usada?

Uma tornozeleira ortopédica não precisa de receita médica para ser adquirida, pois sua venda é livre. No entanto, para que seja utilizada da forma correta, é interessante contar com o suporte de um especialista.

Isso porque, para cada situação, é recomendado um tipo de tornozeleira a fim de alcançar o reultado esperado. Afinal, esse equipamento age tanto prevenindo lesões como de forma terapêutica, favorecendo a recuperação.

Sendo assim, ela deve ser utilizada se há necessidade de dar estabilidade para os tornozelos quando estão fracos ou machucados. Também por pessoas que têm algum tipo de problema que cause o comprometimento dessa articulação.

Além disso, como dito, a tornozeleira é indicada para a recuperação de lesões como contusões e entorses. Alguns modelos são fundamentais para imobilizar o tornozelo após uma cirurgia, evitando complicações no pós-operatório e acelerando o processo de recomposição dos tecidos.

E não é somente essa articulação que se beneficia com esse equipamento, porque a tornozeleira também previne torções no pé. Ou seja, ela oferece uma ampla proteção para toda essa região.

Quais são os principais benefícios que oferece?

Como dito, uma tornozeleira ortopédica tem função preventiva e terapêutica, por isso, seus benefícios se estendem dessas duas formas. Elas trazem vantagens tanto para quem não sofre com dores como para as pessoas que têm problemas ou estão lesionadas ao:

Promover estabilidade

Esse equipamento ajuda a manter a articulação do tornozelo estável, oferecendo segurança nas passadas. Isso porque, o material “abraça” o tornozelo e impede que ocorram desvios que forcem as estruturas ou promovam desequilíbrio.

Evitar lesões

Por garantir a estabilidade da articulação, a tornozeleira ortopédica ajuda a evitar lesões, tanto para as pessoas que já estão com o tornozelo enfraquecido como aquelas que não apresentam nenhum problema. Afinal, ela mantém a regularidade e coordenação dos movimentos, evitando também a sobrecarga.

Favorecer a recuperação

Tanto para as lesões mais leves como nos casos graves e complexos, as tornozeleiras são um excelente recurso para a recuperação. Os diferentes modelos atuam de formas distintas, mas todos permitem que as estruturas não sejam sobrecarregadas para que o tecido consiga se recompor e cicatrizar adequadamente.

Os atletas praticantes de atividades de impacto, como os corredores, maratonistas, jogadores de basquete, vôlei, handebol e praticantes de CrossFit ou caminhadas, são muito beneficiados pelo uso da tornozeleira ortopédica.

Afinal, o risco de lesões nesses casos é muito maior, mas, mesmo assim, é necessário o acompanhamento de um especialista. Esse profissional ajudará a identificar a necessidade de cada pessoa para que seja utilizada a tornozeleira adequada e do jeito certo.

Quais são os tipos de tornozeleira ortopédica?

Como para cada situação existe uma necessidade diferente, os modelos de tornozeleira ortopédica são desenvolvidos com o intuito de atender a cada uma delas. Por isso, eles variam em formato, tecnologia e resultados. Conheça a seguir algumas opções disponibilizadas pela SalvaPé.

Tornozeleira elástica

A tornozeleira elástica é calçada como se fosse uma meia, mas possui abertura na ponta dos pés e no calcanhar. É muito utilizada para a prática esportiva e auxilia na prevenção de lesões, seu formato é anatômico e o material exerce compressão na articulação.

Tornozeleira elástica em oito

A tornozeleira elástica em oito é um modelo mais simples do que o anterior, pois trata-se apenas de uma faixa que envolve o peito do pé e o tornozelo. Embora simples, sua tecnologia ajuda na estabilização da articulação, por isso, é indicada para tratar e prevenir pequenas entorses, bursite e tendinite. Esse é um modelo também bastante utilizado em atividades esportivas, seu elástico é muito resistente e o fecho do tipo aderente facilita o uso.

Tornozeleira Newprene

Em seu formato, a tornozeleira Newprene é muito parecida com a elástica. Porém, a diferença é que além de exercer compressão ela também é térmica. Por isso, sua indicação se estende para o tratamento e prevenção de edemas provocados por entorses, artrite reumatoide, tendinite e bursite.

É um modelo utilizado para prática de atividades esportivas e ajuda a prevenir recidivas de problemas. Uma variação desse tipo é a tornozeleira Newprene Semi-ajustável, que permite reduzir ou aumentar a circunferência na panturrilha por meio de um fecho aderente.

Tornozeleira Aircast

É encontrada em duas versões diferentes, sendo:

Esporte

A tornozeleira Aircast Esporte ajuda a prevenir traumas nos tornozelos em função da prática de esportes e também ajuda no tratamento de lesões ligamentares e entorses. Isso porque, possui um sistema de imobilização equipado com almofadas de ar e um suporte plástico que oferece conforto e resistência, mas, ao mesmo tempo, permite leveza.

Terapêutica

Assim como no modelo Esporte a tornozeleira Aircast Terapêutica possui um suporte plástico e almofadas de ar para manter a estabilidade do tornozelo de uma forma confortável e leve. Ela é indicada para tratar lesões ligamentares dessa articulação e entorses.

Tornozeleira Softcast

A tornozeleira Softcast tem uma tecnologia parecida com a Aircast. Ela conta com um sistema de estabilização do tornozelo, composto por duas talas anatômicas posicionadas nas laterais interna e externa do tornozelo.

Além disso, cintas são fixadas com fechos aderentes para ajustar o seu tamanho e manter o equipamento devidamente posicionado. Sua indicação é para o tratamento de entorses nas regiões ligamentares, por oferecer uma imobilização muito segura e confortável, ao mesmo tempo em que é leve.

Tornozeleira ajustável

A tornozeleira ajustável pode ser regulada para se adaptar melhor às dimensões do pé de cada pessoa. Ela possui duas tiras com fechos aderentes que possibilitam aumentar ou reduzir o seu tamanho.

Com propriedades térmicas e compressivas, é ideal para proteção da articulação durante a prática de esporte e para prevenir recidivas. Também ajuda a evitar edemas provocados pela artrite reumatoide, entorses, bursite e tendinite.

Estabilizador de tornozelo

O estabilizador de tornozelo é indicado para a prevenção precoce de deformidades causadas pela artrite reumatoide, além de evitar entorses leves. Ele também ajuda a dar maior estabilidade para os passos de pacientes com dorso flexores dos pés fracos e protege a articulação durante a prática de esportes.

É fabricado em tecido resistente, com o mesmo formato da tornozeleira elástica, porém, o estabilizador possui cintas elásticas cruzadas e barbatanas plásticas laterais para promover maior estabilidade.

Sobre o preço da tornozeleira ortopédica, ele varia de acordo com o modelo escolhido. Os mais simples partem de uma média de R$ 30, enquanto aqueles com uma estrutura mais complexa ficam entre R$ 150 e R$ 200.

Qual é o modo correto de utilização?

Esse é um fator que também varia conforme o tipo de tornozeleira ortopédica que será usado. Mas, de um modo geral, é importante que o equipamento faça compressão sem exagero, para não causar inchaços nem interferir na circulação sanguínea.

O tempo de utilização também varia de acordo com a necessidade de cada pessoa. Por isso, é importante consultar um especialista para que ele possa indicar o modelo adequado, bem como a forma correta de uso.

A tornozeleira ortopédica é um excelente recurso para evitar que lesões se manifestem e recidivas aconteçam. Além disso, também ajuda a manter o conforto e proteção para quem tem algum problema e possibilita uma melhor recuperação de quem está lesionado. Por isso, é um equipamento muito completo, que somente traz benefícios quando bem escolhido e usado.

Saiba mais sobre tornozeleiras e outros equipamentos oferecidos pela SalvaPé. Entre em contato conosco e converse com um dos nossos especialistas.

 

Dor no Tornozelo: Quais as causas e o que fazer.

postado em: Saúde | 0

Com certeza você também já deve ter sentido dor no tornozelo em algum momento da sua vida. Afinal, essa sensação dolorosa é muito comum e pode afetar pessoas de qualquer idade. Isso porque as suas causas são muito distintas, o que faz variar a sua gravidade e intensidade.

Essa articulação é muito importante para manter a sustentação do corpo e a estabilidade ao caminhar. Por isso, ainda que a dor no tornozelo seja leve, é importante descobrir as suas causas e tratá-la adequadamente. O intuito é evitar que um pequeno problema de hoje se torne uma grande complicação amanhã.

Para entendermos melhor o que provoca dores nessa articulação fomos conversar com o Dr. Tiago Doyle, médico ortopedista especialista em cirurgia do pé e tornozelo e cirurgia do trauma. Continue lendo e entenda o que causa essa dor, como ela pode ser tratada e as suas formas de prevenção.

Quais são as principais causas da dor no tornozelo?

O tornozelo é a articulação que faz a ligação das pernas e dos pés. Ele é uma estrutura estável composta por três ossos com ligamentos e tendões que mantêm a sua estabilidade. Sua função é receber e distribuir para os pés toda a carga de peso que vem do corpo.

Por causa disso, essa articulação está muito propensa a sofrer sobrecarga e estresse. Essas condições se manifestam em forma de dores, incômodos e até mesmo lesões. Isso torna mais grave quando o indivíduo apresenta uma doença ou problema que deixa os tornozelos mais fracos e sensíveis.

A dor que se manifesta nessa região pode não ser nada muito grave, como também indicar uma condição que exige mais atenção. Algumas das suas causas são:

Problemas na pisada

O modo como uma pessoa sustenta o pé no chão (pisa) pode desencadear a dor no tornozelo. Isso acontece porque existem três tipos diferentes de pisada, sendo:

  • supinada: quando a concentração do peso do corpo é maior na parte de dentro dos pés;
  • pronada: quando a concentração do peso é maior na parte de fora dos pés;
  • neutra: peso é distribuído de forma equilibrada sobre os pés.

No caso das pisadas supinada e pronada a forma como os pés tocam no chão acabam forçando a articulação do tornozelo para dentro ou para fora. Essa posição inadequada causa dor na região e, com o tempo, leva a lesões nessa e outras articulações.

Entorses

Popularmente chamada de torção no tornozelo, a entorse é uma lesão ligamentar muito comum, que acontece quando ocorre uma movimentação anormal da articulação dessa região, o famoso “dobrar o pé”. Essa posição inadequada força os diversos ligamentos que ajudam a dar estabilidade para a articulação.

A entorse varia em gravidade, sendo classificada em três graus diferentes de acordo com o dano causado nos ligamentos. São eles:

  • entorse de grau 1: ocorrem microlesões nos tecidos;
  • entorse de grau 2: acontece uma ruptura parcial do ligamento;
  • entorse de grau 3: essa ruptura é total, rompendo o tecido.

Em todos os casos é essencial fazer a reabilitação da articulação para evitar a sua instabilidade no futuro.

Doenças em inflamações

Algumas doenças e inflamações também acometem essa articulação promovendo dor no tornozelo. Entre elas podemos citar aquelas mais comuns que são:

  • tendinite: inflamação que se manifesta quando um dos tendões é danificado, geralmente em função de movimentos repetitivos ou esforço excessivo;
  • gota: doença reumática classificada como condição crônica que provoca inflamação grave nas articulações;
  • artrite: inflamação que afeta uma ou mais articulações do corpo provocando sensações dolorosas e rigidez, tende a piorar conforme a idade avança;
  • artrose: problema degenerativo que afeta os tecidos flexíveis localizados nas extremidades dos ossos. Ele se desgasta, os ossos ficam mais grossos e atritam entre si;
  • artrite reumatoide: inflamação sistêmica das articulações que provoca o desgaste delas causando dores que se manifestam, principalmente, de manhã ou após um longo período de repouso;
  • bursite: Inflamação que afeta as bursas, que são bolsas de líquido que protegem as articulações do corpo.

Como aliviar essa sensação dolorosa?

Quando a dor no tornozelo tem origem inflamatória, ou essa articulação sofreu um trauma como uma entorse, ela pode ser aliviada com uma compressa fria. A baixa temperatura ajuda a desacelerar o processo inflamatório e reduz o inchaço.

Manter o tornozelo elevado também é uma ótima medida paliativa para minimizar inchaços e hematomas provocados por lesões. Lembrando que em todos os casos é importante reduzir a carga de atividades para que o tornozelo se recupere.

O uso de sprays para contusão ajuda quando o problema está nos músculos e outros tecidos flexíveis. No caso de optar por eles, é importante seguir as instruções de uso para alcançar os benefícios esperados.

Quando a dor não cessa, é intensa demais, não é possível movimentar o tornozelo ou apoiar o pé no chão, é fundamental procurar um médico. Isso porque a lesão pode ser mais grave e exigir intervenções complexas.

Quais tratamentos são adotados para essa dor?

O tratamento para dor no tornozelo varia de acordo com aquilo que está causando esse sintoma. No caso das manifestações agudas, o uso de tornozeleiras ortopédicas pode ser suficiente para permitir a recuperação da articulação.

Quando alguma doença se manifesta, no caso de inflamações, o uso de medicamentos pode ser recomendado. E para aquelas classificadas como crônicas, é necessário tanto uso de remédios quanto o acompanhamento com um profissional.

Para situações mais complexas como as malformações e fraturas, as cirurgias são uma opção. Porém, isso é avaliado de acordo com cada paciente e observando se não é possível adotar terapias não invasivas.

Sessões de fisioterapia e o uso de calçados ortopédicos também são formas de tratar a dor no tornozelo. Concomitantemente, costuma ser indicado o uso tornozeleiras que atendam a necessidade da pessoa.

Esses equipamentos ajudam a realizar uma compressão na articulação, ao mesmo tempo em que a mantém aquecida. Eles oferecem estabilidade para essa estrutura e sua musculatura prevenindo as lesões e ajudando na recuperação quando há um problema estabelecido.

O que ajuda a prevenir a dor no tornozelo?

As manifestações agudas de dor no tornozelo causadas por movimentos repetitivos, sobrecarga, esforço excessivo ou entorses podem ser prevenidas com o uso de tornozeleiras ortopédicas. Elas também ajudam a evitar lesões mais graves.

São ideais para quem pratica atividades físicas de impacto, atletas e pessoas que têm essa articulação fraca ou fragilizada. Afinal, esses grupos estão mais suscetíveis a sentirem dores nessa região.

Existem diversos modelos de tornozeleiras que atendem a diferentes necessidades. A elástica ajuda a dar estabilidade e faz uma leve compressão no tornozelo, mas para quem precisa de um pouco mais de firmeza, o ideal é usar a Aircast, que dá mais sustentação para a articulação — é ideal para quem está se recuperando, a fim de evitar recidivas.

Já a tornozeleira Newprene é ideal para quem precisa tanto de estabilidade como manter a temperatura do tornozelo um pouco mais alta. Esse é o caso de quem sofre com doenças como artrose e artrite, que se agravam com frio.

A prevenção também é feita por meio de alongamentos pela manhã e antes da prática de exercícios. Além disso, no caso de atividades laborais repetitivas ou permanecer muito tempo na mesma posição, é importante fazer pausas regulares para alongar e ativar a circulação sanguínea.

Embora nem sempre seja grave, a dor no tornozelo incomoda bastante e, dependendo daquilo que a está causando, tende a piorar com o tempo. Por isso, é importante cuidar dessa articulação adotando medidas preventivas e buscando a ajuda de um ortopedista sempre que houver dúvidas.

Conheça as opções de tornozeleiras oferecidas pela Salvapé e outros produtos que ajudam aumentar a qualidade de vida. Entre em contato conosco e converse com um dos nossos especialistas.

3 ótimos exercícios para melhorar a dor nos ombros

postado em: Estilo de Vida | 0

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a dor nos ombros nem sempre é resultado de práticas esportivas na academia. Atividades rotineiras como pendurar cortinas, molhar as plantas e passar aspirador na casa podem resultar em desconfortos nessa região.

As lesões surgem, principalmente, pela realização de uma atividade física de maneira inadequada, como a má postura. Isso acontece porque o ombro é a articulação mais móvel do nosso organismo, composto por ossos, ligamentos, músculos e tendões.

A notícia boa é que a dor nos ombros pode ser reduzida e até mesmo evitada por meio de atividades físicas. Vamos aprender quais são os 3 principais exercícios para melhorar o desconforto nessa região? Confira!

Aprenda 3 exercícios para melhorar a dor nos ombros

1. Halos

Em pé e com os membros inferiores um pouco afastados, segure um kettle (ou haltere) no meio do peito. Aperte os glúteos, fortalecendo os abdominais para proteger as costas durante o exercício.

Encaixe o acessório atrás da cabeça e mova de um lado para o outro: primeiro no direito, centralizando o haltere atrás da nuca, e depois no esquerdo. Repita durante dois minutos.

2. Egípcios

Em pé, mantenha os pés afastados mais ou menos na largura dos quadris. Posicione os braços na altura dos ombros, mantendo as palmas viradas para baixo.

Incline o dorso para um lado movendo a palma para cima e girando o ombro externamente. Volte na posição inicial e troque o lado. Repita o exercício durante um minuto.

3. Resistência

Posicione os pés separadamente na largura dos ombros. Depois, aperte as suas mãos em uma banda de resistência e a segure na frente do corpo, como em uma linha reta entre os seus ombros.

Abra os braços para os lados com o objetivo de esticar a banda com os cotovelos flexionados. Mantenha essa posição momentaneamente e depois segure firme. Respire por três vezes profundamente e depois volte lentamente à posição inicial. Repita o exercício por 15 vezes.

Veja como se prevenir das dores nos ombros

Para se prevenir de dores no corpo, é fundamental ter uma rotina saudável, composta por dieta balanceada, bons hábitos de vida (não fumar, beber ou consumir drogas) e prática regular de exercícios (caminhadas, trilhas, artes marciais, spinning).

Confira algumas dicas para se prevenir das dores nos ombros:

  • faça alongamentos de relaxamento ao se levantar da cama pela manhã e antes de dormir;
  • tenha uma boa postura durante todos os períodos do dia (inclusive no seu trabalho);
  • sempre que for carregar coisas pesadas, distribua o peso entre os dois braços;
  • durma de lado e com um travesseiro entre as pernas;
  • beba muita água para manter todas as partes do seu corpo hidratadas;
  • utilize compressas com água morna quando tiver um dia muito estressante e tenso;
  • faça uma massagem com pomadas analgésicas e antitérmicas para aliviar as dores;
  • consulte um médico especialista se as dores persistirem.

A dor nos ombros costuma aparecer devido à má postura, práticas de exercícios inadequadas e até mesmo pela falta de atividade física. Por isso, conhecer alguns exercícios para prevenir as lesões é fundamental para ter uma boa qualidade de vida e evitar desconfortos nessa região.

Neste post, você conferiu 3 exercícios para melhorar a dor nos ombros e verificou algumas dicas de prevenção. Que tal ajudar os seus amigos a também melhorarem as dores nessa região? Compartilhe agora o nosso post nas suas redes sociais para que eles também possam ler este conteúdo!

Os 3 principais tipos de joelheiras ortopédicas para cada momento

postado em: Saúde | 0

Pessoas que apresentam problemas no joelho podem ter uma maior estabilização dessa articulação com o uso de joelheiras ortopédicas. Esse equipamento ajuda a proteger essa parte do corpo e evitar lesões, bem como favorecer a recuperação quando a pessoa já passou por algum problema.

Mas você sabia que existem diversos tipos de joelheiras e que cada um deles é mais indicado para um determinado momento? Para que você entenda melhor quais são esses tipos e quando é indicado usar o equipamento, nós fomos conversar com o Professor Dr. Daniel Esperante.

Em entrevista, ele nos explicou sobre as diferentes joelheiras ortopédicas, bem como a importância de usá-las e para quem elas são indicadas. Continue lendo para conferir os esclarecimentos do especialista e descobrir se você também precisa de joelheira.

A importância de usar joelheiras ortopédicas

As joelheiras ortopédicas são equipamentos importantes e eficazes para proteger os joelhos. Elas atuam como estabilizadores que fazem a proteção dos ligamentos de diferentes formas, seja evitando desvios ou reduzindo a carga de peso, por exemplo.

Os resultados variam em função dos diferentes tipos que existem, mas o fato é que independentemente, do que se deseja alcançar, as joelheiras são fundamentais para evitar que o joelho seja lesionado.

Mas não se resume a isso, porque esse equipamento também é um excelente auxiliar para os processos de recuperação. Então, ele também pode ser indicado quando a pessoa sofreu alguma lesão ou passou por uma cirurgia.

Isso porque, como ajuda a estabilizar a articulação, a joelheira favorece o processo de cicatrização. Ela ajuda a firmar, proteger e alinhar o joelho quando ele está enfraquecido ou fragilizado.

Mas é muito importante entender que é fundamental usar o tipo certo para alcançar o resultado esperado. Sendo assim, a automedicação para joelheira pode ser um problema, porque o uso do equipamento de forma errada traz outros tipos de complicações.

Pessoas que apresentam volume de coxa muito grande, por exemplo, quando usam a joelheira errada ela começa a garrotear. Isso não significa que o equipamento não possa ser usado, mas que é preciso uma orientação especializada para que se escolha o tipo certo.

Tipos de joelheiras

Ao procurar no mercado você encontra diversos modelos e tipos de joelheiras ortopédicas, e cada uma delas possui uma indicação diferente. Isso porque a forma como protegem o joelho varia, e sendo assim, é fundamental escolher de acordo com a necessidade de cada um.

Uma pessoa que tem um joelho dito normal não têm as mesmas necessidades daquelas que apresentam quadro de artrose ou já sofreram algum tipo de lesão. Os dois últimos casos é fundamental garantir uma maior estabilidade para articulação, em função da maior suscetibilidade para traumas.

Existem três tipos principais de joelheiras ortopédicas, e a seguir você pode ler um pouco mais a respeito de cada um deles.

1. Faixa simples

Esse tipo de joelheira é bastante popular entre praticantes de levantamento de peso. Trata-se de um equipamento muito simples, porque na verdade é apenas uma faixa elástica que é posicionada ao redor de joelhos formando uma espiral.

Esse modelo ajuda a evitar lesões, mas precisa ser utilizado da forma correta. Quando isso não acontece, pode ocorrer uma pressão excessiva da patela contra a cartilagem do fêmur, o que causaria danos para essa estrutura.

2. Elástica

A joelheira elástica é a mais comum entre os esportistas e pessoas que praticam atividades físicas com um nível que varia de média a alta intensidade. A sua função é dar suporte aos joelhos para evitar lesões quando eles são saudáveis.

Esse equipamento também é bastante simples, porque se trata apenas de uma faixa que você veste como se fosse uma meia e posiciona à altura da articulação. A pressão promovida pelo material ajuda a estabilizar o joelho.

3. Órtese

Dos tipos de joelheiras ortopédicas esse é aquele que possui uma estrutura um pouco mais complexa, para manter o joelho alinhado, evitar desvios, realizar compressão e, em alguns casos, limitar o movimento da articulação.

As órteses são indicadas para reabilitação ou têm um aspecto funcional. Elas protegem os ligamentos e auxiliam na recuperação quando já existe uma lesão ou a pessoa passou por uma cirurgia. Oferece uma grande estabilidade e conforto para o joelho, evitando que problemas se agravem.

É importante ressaltar que na hora de escolher o melhor equipamento o especialista considera tanto a necessidade de cada pessoa como também as condições do paciente. Isso para que possa indicar o melhor tipo de joelheira, que trará os resultados desejados sem causar efeitos negativos para outras estruturas.

Quem pode usar joelheiras ortopédicas

É indiscutível que as joelheiras ortopédicas são um excelente recurso para cuidar da saúde do joelho, em especial de pessoas que realizam atividades físicas e aquelas que já sofrem com algum tipo de problema que afeta essa articulação.

Entretanto, ainda que traga diversos benefícios, o uso indiscriminado de joelheiras é contraindicado. Como dito, existe o modelo certo para cada pessoa, e não são todas que precisam usar esse equipamento constantemente.

As joelheiras são indicadas para quem pratica atividades onde existe um maior risco de ocorrerem lesões, como no caso de esportes mais intensos ou de contato. Mas isso não significa que o uso de joelheira é essencial somente por praticar atividades físicas.

Para quem já sofreu algum tipo de lesão ou apresenta condições orgânicas que afetam o joelho, o equipamento de proteção também é um excelente recurso para evitar maiores complicações.

Mas mesmo nesses casos é essencial consultar um especialista para que ele possa indicar o melhor tipo de joelheira. Além disso, o profissional também observará se não existe nenhuma contraindicação para o uso, como no caso de a pessoa sofrer com algum tipo de problema de pele.

A joelheira em si não traz problemas, mas o seu uso incorreto é que pode gerar complicações. Por isso, mais uma vez ressaltamos que elas não podem ser um acessório, mas ter uma finalidade funcional e de proteção.

Se você pratica ou pretende começar a praticar exercícios ou algum esporte, se apresenta alguma doença ou problema que afeta os joelhos, e ainda se sente dores nessa articulação, é importante procurar por um especialista.

Ele avaliará o seu caso e indicará a joelheira, se for necessário. Dessa forma, você terá a certeza de estar usando o equipamento certo, que de fato protegerá os seus joelhos sem trazer riscos de outras lesões.

Joelheiras ortopédicas são excelentes aliadas tanto para os especialistas como para seus pacientes. Afinal, são auxiliares no tratamento e na prevenção, o que possibilita reduzir as chances de lesões, minimizar dores e trazer mais qualidade de vida para as pessoas.

Saiba mais sobre os diferentes tipos de joelheiras ortopédicas. Entre em contato conosco para conversar com um dos nossos especialistas e esclarecer suas dúvidas, ou acesse nosso site e conheça nossa linha completa de joelheiras.