3 dicas para melhorar a flexibilidade corporal

postado em: Fisioterapia | 0

Com o passar dos anos e a falta da prática de atividades físicas a gente vai perdendo a flexibilidade corporal. Essa mudança é totalmente normal, afinal, se você não utiliza certos recursos do corpo eles ficam “enferrujados”.

No entanto, a flexibilidade é muito importante para manter a saúde, rejuvenescer e aumentar a qualidade de vida. Ela ajuda na execução de tarefas simples do dia a dia e dá mais vitalidade tanto nos momentos de trabalho, quanto nos de lazer.

Quer saber como recuperar a sua flexibilidade ou manter o corpo flexível? Então, não deixe de conferir o nosso material até o fim!

O que fazer para melhorar a flexibilidade corporal?

Como visto, o corpo que para de se exercitar perde algumas funções. Por isso, é essencial praticar alguma atividade de modo a aumentar a movimentação. No entanto, a flexibilidade vai muito além disso, entenda a seguir!

1. Alongue-se

Para manter uma boa movimentação dos membros e melhorar a sua flexibilidade é indispensável se alongar. Esses tipos de exercícios preparam os músculos para a prática de esportes e, até mesmo, para as atividades do dia a dia.

Ao se alongar você não somente melhora a flexibilidade corporal, como também evita as cãibras, alivia dores, previne lesões, relaxa o corpo, entre outros benefícios. Entretanto, o alongamento não é milagroso, é preciso praticá-lo diariamente para que os resultados sejam alcançados e ter progressos significativos.

2. Respire corretamente

Você sabia que a respiração correta é uma grande aliada da flexibilidade corporal? Isso acontece porque ela ajuda a relaxar o corpo e, ao fazer isso, fica muito mais fácil de avançar nos exercícios.

Por isso, ao se movimentar durante os alongamentos preste atenção em sua respiração e a utilize a favor da atividade. Ademais, não se esqueça de respirar corretamente ao longo do dia para oxigenar bem todo o seu corpo.

3. Beba água

Beber bastante água ao longo de dia é essencial para a saúde. Ela é essencial em diversas funções do corpo, bem como a flexibilidade. Sem a água o organismo fica em estado de desidratação, um importante fator de risco para lesões.

Quando se bebe água o suficiente, você também ajuda a lubrificar partes do seu corpo, como as juntas e os músculos. Além disso, permite-se que o organismo controle a temperatura por meio da produção do suor.

Quais são os benefícios da flexibilidade?

Agora que já sabe como melhorar a flexibilidade corporal, você pode entender o porquê de ela ser tão vantajosa para a saúde do seu corpo. Confira seus principais benefícios:

  • diminui as chances de lesões ao longo de seu dia e na prática de esportes;
  • facilita a execução de atividades rotineiras;
  • melhora a circulação sanguínea;
  • favorece a respiração;
  • ajuda a desenvolver maior coordenação motora;
  • previne cardiopatias;
  • promove a qualidade de vida.

Portanto, não deixe de cuidar da sua saúde e permitir que seu corpo “enferruje”. Tire um tempo para você, invista na flexibilidade corporal, pratique alongamentos, beba bastante água e respire corretamente. Dessa forma, é possível viver melhor e mais feliz!

Gostou de saber um pouco mais sobre como e por que melhorar a flexibilidade corporal? Compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais para que eles também fiquem por dentro das dicas! 

Aprenda 5 exercícios para fortalecer o joelho

postado em: Fisioterapia | 0

Fazer exercícios para fortalecer o joelho é fundamental para manter a estabilidade dessa estrutura. Afinal, ela é muito complexa e uma das mais importantes do corpo, já que ajuda a sustentar todo o nosso peso. Por isso, precisa de cuidados durante toda a vida.

Mas quando falamos em fortalecimento do joelho, na verdade estamos nos referindo à musculatura que auxilia na movimentação e estabilização dele. Ao trabalharmos esses músculos, protegemos a estrutura, evitando que lesões aconteçam e minimizando dores.

Alguns exercícios precisam ser praticados com o auxílio de aparelhos específicos, mas existem outros que podem ser feitos em casa. Veja nossa lista com algumas sugestões para que você mantenha essa parte do corpo ativa e ganhe mais força e resistência nela.

1. Ponte

Para fazer a ponte você deve se deitar de barriga para cima, de preferência no chão, para ter uma superfície firme. Estenda os braços ao longo do tronco e flexione os dois joelhos. Em seguida, eleve o quadril sem movimentar as pernas.

Procure manter um ângulo reto entre o tronco e as coxas, depois desça devagar. Repita o exercício 10 vezes, faça uma pequena pausa de 30 segundos e execute mais duas sessões de 10 movimentos.

2. Elevação de perna deitado

A elevação de perna pode ser praticada com ou sem tornozeleira, dependendo do seu nível de condicionamento. Deite-se de costas, mantendo os braços estendidos ao longo do corpo. Uma das pernas deve ser flexionada, enquanto a outra permanece estendida. Esta deve ser elevada, mantendo o joelho sempre esticado e a ponta do pé apontando para cima.

Abaixe a perna devagar, repetindo o movimento 10 vezes. Troque a perna, flexionando essa que foi trabalhada e estendendo a que permaneceu flexionada. Faça 10 movimentos com ela, descanse cerca de 30 segundos e repita os movimentos em mais duas sessões.

3. Agachamento

O agachamento é um dos melhores exercícios para fortalecer o joelho. Para praticar você apenas precisa ficar em pé, mantendo as pernas afastadas, mais ou menos na largura dos ombros. Estenda as mãos para frente a fim de ter equilíbrio na hora de executar o movimento.

Devagar, flexione os joelhos como se fosse sentar-se em um banco. É muito importante projetar o quadril para trás, manter a coluna reta e não deixar que o joelho ultrapasse a ponta do pé. Faça três sessões de 10 movimentos, descansando entre elas.

4. Afundo

O afundo deve ser praticado em pé, mantendo as pernas separadas, uma à frente e outra atrás, em um passo largo. Permaneça com o tronco sempre ereto durante a execução desse exercício, para não forçar a coluna, e contraia o músculo do abdômen.

Flexione o joelho da frente e o de trás ao mesmo tempo, a ponto de ele quase tocar o chão. Fique atento para que o joelho da frente não ultrapasse a ponta do pé. Levante-se e repita o movimento até contabilizar 10 vezes, depois, troque a perna. Faça três sessões, descansando entre elas.

5. Flexão de perna em pé

Esse é outro dos exercícios para fortalecer o joelho que você pode praticar utilizando ou não tornozeleiras. A flexão de perna é um movimento muito fácil que deve ser praticado em pé, apoiando as mãos numa parede ou algo que garanta equilíbrio.

Mantenha o tronco ereto e os joelhos esticados. Devagar, flexione uma das pernas o máximo que você conseguir, permanecendo sempre com as coxas paralelas. Repita o movimento 10 vezes, depois troque a perna e descanse cerca de 30 segundos. Faça três sessões com cada perna.

Para que os exercícios para fortalecer o joelho tragam resultados ainda melhores, sem risco de lesões, é interessante consultar um profissional. Ele avaliará seu condicionamento físico e suas necessidades para indicar a você aqueles que trarão mais benefícios. Mas o importante mesmo é não ficar parado para manter o corpo saudável.

Gostou destas dicas? Então assine nossa newsletter e receba outros conteúdos interessantes diretamente em seu e-mail!

Quais os benefícios de usar tornozeleira ortopédica?

postado em: Fisioterapia | 0

Seja na prática de esportes e exercícios físicos, no trabalho ou nas atividades rotineiras, as pessoas podem sentir dores e incômodos nos tornozelos. Mas esses desconfortos são minimizados ou prevenidos com o uso de uma tornozeleira ortopédica.

Ela é um equipamento interessante para evitar que as sensações dolorosas se manifestem ou aconteçam lesões nessa articulação. Por isso, existem diferentes tipos no mercado que atendem a necessidades distintas.

Para que você entenda melhor sobre o uso de tornozeleiras e os seus benefícios, fomos conversar com o Dr. Tiago Doyle, médico ortopedista especialista em cirurgia do pé e tornozelo e cirurgia do trauma. Continue lendo este artigo e saiba mais sobre o assunto.

O que é uma tornozeleira ortopédica?

A tornozeleira ortopédica é um equipamento usado com o intuito de proteger a articulação do tornozelo. Suas funções variam entre manter uma compressão, evitar deslocamentos e lesões, melhorar a coordenação muscular e, em alguns casos, imobilizar o tornozelo.

Também possibilita manter essa articulação aquecida, minimizando dores provocadas por temperaturas baixas. Essa é uma característica interessante para quem tem problemas que se agravam nessas situações, como a artrose.

Quando ela deve ser usada?

Uma tornozeleira ortopédica não precisa de receita médica para ser adquirida, pois sua venda é livre. No entanto, para que seja utilizada da forma correta, é interessante contar com o suporte de um especialista.

Isso porque, para cada situação, é recomendado um tipo de tornozeleira a fim de alcançar o reultado esperado. Afinal, esse equipamento age tanto prevenindo lesões como de forma terapêutica, favorecendo a recuperação.

Sendo assim, ela deve ser utilizada se há necessidade de dar estabilidade para os tornozelos quando estão fracos ou machucados. Também por pessoas que têm algum tipo de problema que cause o comprometimento dessa articulação.

Além disso, como dito, a tornozeleira é indicada para a recuperação de lesões como contusões e entorses. Alguns modelos são fundamentais para imobilizar o tornozelo após uma cirurgia, evitando complicações no pós-operatório e acelerando o processo de recomposição dos tecidos.

E não é somente essa articulação que se beneficia com esse equipamento, porque a tornozeleira também previne torções no pé. Ou seja, ela oferece uma ampla proteção para toda essa região.

Quais são os principais benefícios que oferece?

Como dito, uma tornozeleira ortopédica tem função preventiva e terapêutica, por isso, seus benefícios se estendem dessas duas formas. Elas trazem vantagens tanto para quem não sofre com dores como para as pessoas que têm problemas ou estão lesionadas ao:

Promover estabilidade

Esse equipamento ajuda a manter a articulação do tornozelo estável, oferecendo segurança nas passadas. Isso porque, o material “abraça” o tornozelo e impede que ocorram desvios que forcem as estruturas ou promovam desequilíbrio.

Evitar lesões

Por garantir a estabilidade da articulação, a tornozeleira ortopédica ajuda a evitar lesões, tanto para as pessoas que já estão com o tornozelo enfraquecido como aquelas que não apresentam nenhum problema. Afinal, ela mantém a regularidade e coordenação dos movimentos, evitando também a sobrecarga.

Favorecer a recuperação

Tanto para as lesões mais leves como nos casos graves e complexos, as tornozeleiras são um excelente recurso para a recuperação. Os diferentes modelos atuam de formas distintas, mas todos permitem que as estruturas não sejam sobrecarregadas para que o tecido consiga se recompor e cicatrizar adequadamente.

Os atletas praticantes de atividades de impacto, como os corredores, maratonistas, jogadores de basquete, vôlei, handebol e praticantes de CrossFit ou caminhadas, são muito beneficiados pelo uso da tornozeleira ortopédica.

Afinal, o risco de lesões nesses casos é muito maior, mas, mesmo assim, é necessário o acompanhamento de um especialista. Esse profissional ajudará a identificar a necessidade de cada pessoa para que seja utilizada a tornozeleira adequada e do jeito certo.

Quais são os tipos de tornozeleira ortopédica?

Como para cada situação existe uma necessidade diferente, os modelos de tornozeleira ortopédica são desenvolvidos com o intuito de atender a cada uma delas. Por isso, eles variam em formato, tecnologia e resultados. Conheça a seguir algumas opções disponibilizadas pela SalvaPé.

Tornozeleira elástica

A tornozeleira elástica é calçada como se fosse uma meia, mas possui abertura na ponta dos pés e no calcanhar. É muito utilizada para a prática esportiva e auxilia na prevenção de lesões, seu formato é anatômico e o material exerce compressão na articulação.

Tornozeleira elástica em oito

A tornozeleira elástica em oito é um modelo mais simples do que o anterior, pois trata-se apenas de uma faixa que envolve o peito do pé e o tornozelo. Embora simples, sua tecnologia ajuda na estabilização da articulação, por isso, é indicada para tratar e prevenir pequenas entorses, bursite e tendinite. Esse é um modelo também bastante utilizado em atividades esportivas, seu elástico é muito resistente e o fecho do tipo aderente facilita o uso.

Tornozeleira Newprene

Em seu formato, a tornozeleira Newprene é muito parecida com a elástica. Porém, a diferença é que além de exercer compressão ela também é térmica. Por isso, sua indicação se estende para o tratamento e prevenção de edemas provocados por entorses, artrite reumatoide, tendinite e bursite.

É um modelo utilizado para prática de atividades esportivas e ajuda a prevenir recidivas de problemas. Uma variação desse tipo é a tornozeleira Newprene Semi-ajustável, que permite reduzir ou aumentar a circunferência na panturrilha por meio de um fecho aderente.

Tornozeleira Aircast

É encontrada em duas versões diferentes, sendo:

Esporte

A tornozeleira Aircast Esporte ajuda a prevenir traumas nos tornozelos em função da prática de esportes e também ajuda no tratamento de lesões ligamentares e entorses. Isso porque, possui um sistema de imobilização equipado com almofadas de ar e um suporte plástico que oferece conforto e resistência, mas, ao mesmo tempo, permite leveza.

Terapêutica

Assim como no modelo Esporte a tornozeleira Aircast Terapêutica possui um suporte plástico e almofadas de ar para manter a estabilidade do tornozelo de uma forma confortável e leve. Ela é indicada para tratar lesões ligamentares dessa articulação e entorses.

Tornozeleira Softcast

A tornozeleira Softcast tem uma tecnologia parecida com a Aircast. Ela conta com um sistema de estabilização do tornozelo, composto por duas talas anatômicas posicionadas nas laterais interna e externa do tornozelo.

Além disso, cintas são fixadas com fechos aderentes para ajustar o seu tamanho e manter o equipamento devidamente posicionado. Sua indicação é para o tratamento de entorses nas regiões ligamentares, por oferecer uma imobilização muito segura e confortável, ao mesmo tempo em que é leve.

Tornozeleira ajustável

A tornozeleira ajustável pode ser regulada para se adaptar melhor às dimensões do pé de cada pessoa. Ela possui duas tiras com fechos aderentes que possibilitam aumentar ou reduzir o seu tamanho.

Com propriedades térmicas e compressivas, é ideal para proteção da articulação durante a prática de esporte e para prevenir recidivas. Também ajuda a evitar edemas provocados pela artrite reumatoide, entorses, bursite e tendinite.

Estabilizador de tornozelo

O estabilizador de tornozelo é indicado para a prevenção precoce de deformidades causadas pela artrite reumatoide, além de evitar entorses leves. Ele também ajuda a dar maior estabilidade para os passos de pacientes com dorso flexores dos pés fracos e protege a articulação durante a prática de esportes.

É fabricado em tecido resistente, com o mesmo formato da tornozeleira elástica, porém, o estabilizador possui cintas elásticas cruzadas e barbatanas plásticas laterais para promover maior estabilidade.

Sobre o preço da tornozeleira ortopédica, ele varia de acordo com o modelo escolhido. Os mais simples partem de uma média de R$ 30, enquanto aqueles com uma estrutura mais complexa ficam entre R$ 150 e R$ 200.

Qual é o modo correto de utilização?

Esse é um fator que também varia conforme o tipo de tornozeleira ortopédica que será usado. Mas, de um modo geral, é importante que o equipamento faça compressão sem exagero, para não causar inchaços nem interferir na circulação sanguínea.

O tempo de utilização também varia de acordo com a necessidade de cada pessoa. Por isso, é importante consultar um especialista para que ele possa indicar o modelo adequado, bem como a forma correta de uso.

A tornozeleira ortopédica é um excelente recurso para evitar que lesões se manifestem e recidivas aconteçam. Além disso, também ajuda a manter o conforto e proteção para quem tem algum problema e possibilita uma melhor recuperação de quem está lesionado. Por isso, é um equipamento muito completo, que somente traz benefícios quando bem escolhido e usado.

Saiba mais sobre tornozeleiras e outros equipamentos oferecidos pela SalvaPé. Entre em contato conosco e converse com um dos nossos especialistas.

 

Veja 4 dicas para trilhas que não podem ser ignoradas

postado em: Fisioterapia | 0

Optar por uma trilha é uma excelente decisão de quem deseja um esporte agradável, interessante, cheio de aventuras e capaz de proporcionar uma vida com mais saúde. Entretanto, realizar esse tipo de atividade ao ar livre exige muito planejamento para que tudo saia de acordo com as expectativas.

Desse modo, determinados aspectos merecem atenção especial, visto que farão grande diferença na qualidade da caminhada e na sua segurança durante o trajeto. Por isso, preparamos este post para apresentar a você 4 dicas para trilhas que não podem ser ignoradas e que vão permitir uma experiência ainda mais inesquecível. Acompanhe!

1. Escolha os alimentos certos para levar

Pensar o que será levado para a alimentação deve ser uma das primeiras preocupações ao decidir por uma trilha, pois é por meio dos alimentos que seu corpo conseguirá a energia necessária para fazer todo o percurso. Contudo, não basta colocar uma grande quantidade de comida na mochila!

Você precisa analisar alguns pontos para escolher os mantimentos mais adequados. Pense no tempo de duração do trajeto, no peso das embalagens, em quantas refeições serão feitas e em quantas porções saciam sua fome.

Após verificar cada um desses aspectos, chega o momento de definir o que levar para comer. O ideal é optar por produtos alimentícios com alto valor nutricional, alimentos que já fazem parte da sua rotina, com longo prazo de validade, não perecíveis e pouco condimentados.

Biscoitos, sementes, oleaginosas, frutas frescas e sanduíches com recheio não perecível são ótimas escolhas. Além disso, não se esqueça de levar água suficiente para manter-se sempre hidratado!

2. Vista roupas adequadas para o ambiente

As roupas para realizar uma trilha devem ser confortáveis e de acordo com o clima que predomina na época em que ela será feita. Calças jeans e blusas de malha não são recomendadas, pois não permitem movimentos amplos e dificultam a transpiração, respectivamente. Por esses motivos, prefira roupas leves, de tactel, dry-fit ou tecidos sintéticos.

No calor, por exemplo, as camisetas de dry-fit fazem com que o suor evapore mais rápido e com que a vestimenta seque rapidamente. Além disso, use chapéus ou bonés para aumentar a proteção contra o sol. Já no frio, aposte em agasalhos específicos, feitos de materiais resistentes para a prática de esportes.

3. Utilize calçados resistentes

Trilhas podem exigir escaladas em pedras e passagem por lugares escorregadios, portanto, é imprescindível que você esteja com sapatos fortes, aderentes e antiderrapantes para evitar acidentes.

Mantenha-se longe das botas e outros calçados muito fechados, pois eles dificultam a transpiração dos pés e podem causar bolhas extremamente desconfortáveis. As solas de plástico também não são recomendadas, visto que oferecem riscos por serem lisas demais. Ao escolher o que calçar, preze pelo seu conforto e segurança.

4. Prepare-se fisicamente para a trilha 

O nível de condicionamento físico necessário depende da duração da caminhada, mas uma preparação básica é essencial para todos os trajetos. Algumas semanas antes da aventura, exercite-se todos os dias e condicione seu corpo para enfrentar desafios, de modo que ele responda bem diante de obstáculos.

Ao colocar nossas dicas para trilhas em prática, você poderá se aventurar sem grandes preocupações, pois tudo foi pensado antecipadamente e com muito cuidado para evitar surpresas desagradáveis.

E aí, gostou do post? Então, compartilhe-o em suas redes sociais para que seus amigos e seguidores também possam conhecer essas sugestões incríveis!

Qual a importância do alongamento antes de fazer exercício físico?

Qual a importância do alongamento antes de fazer exercício físico?

postado em: Fisioterapia | 0

Ter uma alimentação saudável, dormir bem e praticar exercícios regularmente são o segredo para ter uma boa qualidade de vida. Contudo, muitas pessoas chegam na academia e começam a praticar exercícios pesados, sem uma preparação para o corpo — por não compreenderem qual a importância do alongamento.

Essa prática é voltada para dar mais flexibilidade aos músculos. Promove a distensão das fibras musculares, que prepara o corpo para realizar exercícios mais pesados, dando mais amplitude aos movimentos.

Quer entender a importância de realizar alongamento antes da prática de atividades físicas? Então, continue lendo este post!

Entenda qual é a real importância do alongamento

Para você ter uma ideia, vamos comparar os músculos com um elástico: se você não souber manuseá-lo com cuidado, ele pode rasgar. Da mesma maneira isso acontece com os nossos músculos: se eles não tiverem o preparo necessário para realizar atividades físicas pesadas, corre o risco de se romperem.

O alongamento, conforme já citamos anteriormente, promove essa flexibilização. Por isso, é de extrema importância realizá-lo antes de fazer o tradicional treino na academia — ou demais atividades como corrida, natação, hidroginástica, ciclismo, etc. Além disso, ele promove um maior rendimento no exercício.

Confira os benefícios dos alongamentos

Agora que você aprendeu o que são os alongamentos, vamos conferir alguns dos seus benefícios? Confira:

  • proporciona mais flexibilidade ao corpo;
  • treina os músculos;
  • promove sensação de relaxamento e bem-estar;
  • alivia as tensões;
  • melhora a habilidade articular;
  • previne lesões;
  • ajuda no desempenho físico.

Veja alguns exemplos de alongamentos básicos

Existem alguns tipos de alongamentos básicos que você pode fazer antes de praticar exercícios, mas também pode realizá-los na sua casa para relaxar o corpo, dentre os quais, podemos destacar:

Pescoço

Em pé, com a sua coluna ereta e os pés afastados: incline a sua cabeça para o lado esquerdo como se quisesse encostá-la no seu ombro e permaneça nessa posição por um minuto.

Repita o procedimento com o lado direito. Depois, faça o mesmo processo com a cabeça para frente — encostando o queixo no peito — e para trás.

Na sequência, movimente lentamente a cabeça em círculos, como se fosse repetir esse movimento de encostá-la nos ombros, peitos e costas no sentido horário e anti-horário.

Pernas

Fique em pé ao lado de uma parede e permaneça reto. Dobre o seu joelho esquerdo e com a ajuda da mão esquerda puxe-o como se quisesse encostá-lo no bumbum. As coxas e os joelhos precisam ficar na mesma posição. Permaneça assim por 30 segundos e repita o processo com o lado direito.

Braços

Em pé, com a posição ereta, afaste um pouco as pernas e flexione levemente os joelhos. Dobre o cotovelo direito colocando o braço sobre o peito. Com o braço esquerdo, posicione o seu braço em formato de “L” e encaixe junto ao cotovelo direito. Assim, você dá suporte ao braço direito. Fique nessa posição por 30 segundos e repita com o braço esquerdo, para alongar os dois lados.

Atualmente, muitas pessoas vão para a academia e praticam atividades físicas sem considerar qual a importância do alongamento. Ele é essencial para dar mais flexibilidade ao corpo e preparar os músculos para receber atividades mais pesadas. Por isso, ele é recomendando não somente ao final do treino, mas antes de fazer o exercício.

Com este post, você conferiu sobre qual a importância do alongamento antes de realizar atividades físicas. Conheça agora 6 exercícios para fazer ao ar livre! Boa leitura!