Entenda o que é Distensão Muscular e como Identificar os Sintomas

postado em: Saúde | 0

Muito comum entre praticantes de esportes, a distensão muscular é uma lesão que também pode atingir pessoas em qualquer atividade do dia a dia — seja na subida de uma escada, no esforço para levantar uma caixa ou no caminhar rumo ao trabalho.

Trata-se da famosa fisgada no músculo, a qual gera inúmeros incômodos, como dor muscular aguda, fraqueza e dificuldade para movimentar a região, o que prejudica a prática de exercícios físicos e a realização de demais tarefas da rotina.

Quer descobrir mais sobre esse problema? Neste post, vamos mostrar o que é distensão muscular, suas principais causas, sintomas, tratamento e métodos de prevenção. Confira!

O que é Distensão Muscular?

A distensão muscular, também chamada de estiramento, é caracterizada por um grande esforço submetido ao músculo esquelético ou ao tendão — tecido responsável pela movimentação das mais diversas partes do corpo e região que faz conexão direta aos ossos —, respectivamente. Desse modo, as fibras acabam sendo rompidas, assim como os vasos sanguíneos que irrigam determinada parte do corpo humano.

Logo que é gerada, a lesão provoca uma inflamação, com migração de células sanguíneas para o local — que pode ficar dolorido, inchado, quente e até dar origem a um hematoma. Por isso, trata-se de uma situação que exige cuidados especiais para amenizar desconfortos. Apesar de ser gerada pela mesma situação, a distensão muscular pode ser de dois tipos: aguda e crônica.

A aguda é a mais frequente no dia a dia. Ela acontece quando os tendões e músculos fazem uma contração repentina, com força e intensidade. Podemos citar como exemplo as famosas contusões nas costas quando um objeto pesado é levantado de maneira brusca. O sinal da distensão é imediato, com aquela puxada no músculo que já dá o alerta sobre o problema.

Já a crônica é desenvolvida de forma lenta, como consequência de exercícios repetitivos por um longo período de tempo, principalmente em atividades físicas que trabalham os mesmos músculos, como no caso da corrida e partidas de futebol.

Geralmente, quem sofre a distensão acaba percebendo que estava exagerando na quantidade de distância, velocidade ou pesos. Por isso, é fundamental destacar a importância de um profissional da área de educação física para acompanhar e orientar a prática esportiva.

Quais são os Graus de Estiramento?

Os estiramentos podem ser classificados em 3 graus diferentes.

Grau I

Mais leve, a distensão grau I é caracterizada pela ruptura de poucas fibras, abaixo de 5% do total do músculo. A dor é localizada e surge durante a contração muscular, desaparecendo quando em repouso. Os danos são mínimos e a recuperação é rápida.

Grau II

No grau II, definido como estiramento moderado, o número de fibras atingidas é maior, variando entre 5% a 50% do músculo. Os sintomas são mais fortes e a recuperação é um pouco mais lenta.

Grau III

Esse tipo de lesão é definido como a ruptura completa do músculo ou de grande parte dele (50% ou mais), o que resulta em sintomas intensos e perda da função. Em uma distensão grau III, a lesão é visível e palpável.

Quais são os Fatores de Risco?

Existem algumas condições que aumentam as chances de sofrer uma distensão muscular.

Falta de condicionamento físico

Ter um condicionamento físico ruim aumenta os riscos de lesão. Uma pessoa que começou a praticar exercícios físicos recentemente, por exemplo, tem menos técnica e pouca percepção sobre os limites do seu corpo, o que faz com que ela realize atividades muito intensas e sobrecarregue os músculos.

Idade

Pessoas mais velhas estão mais propensas ao estiramento, pois, com o avançar da idade, os músculos se tornam cada vez mais fracos devido à perda contínua de proteína e colágeno.

Aquecimento insuficiente

aquecimento é uma etapa indispensável para preparar os músculos antes de iniciar um exercício. Caso eles estejam “frios”, as chances de estiramento se multiplicam.

Excesso de peso

obesidade ou sobrepeso aumenta a sobrecarga nos músculos e é mais um fator de risco para o estiramento.

Fadiga muscular

Quando os músculos são submetidos a um desgaste extremo e a pessoa perde a capacidade de realizar os exercícios com perfeição — pois já está cansada e menos concentrada —, ela acaba mais exposta às lesões.

Reabilitação incompleta

Se uma pessoa sofre qualquer tipo de lesão e volta a praticar exercícios físicos sem estar completamente recuperada, o organismo não está pronto para acompanhar o ritmo de antes e acaba mais propenso a distensões.

Quais Sintomas estão presentes em uma Distensão Muscular?

Como já foi citado, o principal sintoma da distensão muscular é a dor aguda no local da lesão. Frequentemente, a fisgada é próxima de uma articulação — na junção entre músculo e tendão — e atinge principalmente a musculatura posterior, anterior e interna da coxa, assim como a panturrilha.

As dores são na forma de pontadas, que fazem com que seja difícil, até mesmo, um simples caminhar. É bem comum observar quem sofre uma distensão na perna, por exemplo, andar como se estivesse pisando em ovos nos movimentos mais básicos.

Outras evidências da lesão incluem a presença de hematoma na região, inchaço, muita fraqueza muscular, deficiência na flexibilidade e dificuldade para coordenar movimentos.

Como é feito o Tratamento?

Após sofrer uma distensão muscular, é necessário procurar o auxílio de um médico ou fisioterapeuta. No diagnóstico, o profissional vai avaliar as queixas do paciente, identificando o problema e a sua intensidade por meio de exames de ultrassonografia, radiografia, ressonância magnética ou eletromiograma.

Conhecer e tratar o estiramento precocemente é muito importante para curar o músculo e recuperar a sua função por completo. Geralmente, o próprio organismo se encarrega de reparar as fibras musculares, todavia algumas atitudes são muito importantes para acelerar o processo de recuperação, entre elas:

  • aplicar gelo no local da lesão de 2 em 2 horas, pois o frio diminui o processo inflamatório, a sensibilidade à dor e o inchaço;
  • imobilizar a região, o que ajuda a conter o inchaço e o sangramento interno;
  • fazer repouso e evitar atividades ou movimentos que possam agravar a lesão;
  • manter o local afetado elevado, mais alto que o coração, para facilitar a circulação e o retorno sanguíneo;
  • massagear a musculatura periférica para diminuir a tensão e as dores;
  • aplicar pomadas anestésicas na região lesionada;
  • usar medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios prescritos pelo médico para reduzir a dor e a inflamação.

Essas medidas devem ser aplicadas durante as primeiras 48 horas após a distensão. Em seguida, com aval do seu médico, a recomendação é iniciar sessões de fisioterapia — que é considerado o melhor tratamento para se recuperar desse tipo de lesão.

Os exercícios aplicados ajudam a recuperar os movimentos e fortalecer a musculatura, os quais variam de acordo com a necessidade de cada paciente. A duração total do tratamento depende basicamente do grau de distensão sofrida.

Em caso de estiramento grau III, quando mais da metade do músculo é rompido, o tratamento cirúrgico é uma possibilidade. Para atletas de alto rendimento e que estão se preparando para competições essa é a melhor opção, visto que a recuperação é acelerada.

Ademais, a cirurgia também é indicada para casos em que os hematomas intramusculares e dores persistem por mais de 4 meses, principalmente se houver limitação dos movimentos.

Se você acabou de sofrer um estiramento, a nossa dica é: procure um médico. Somente assim é possível diagnosticar a distensão e tratá-la de forma adequada, o que garante a sua completa recuperação.

Como Prevenir a Distensão Muscular?

Só quem já teve uma distensão sabe como ela é dolorida. Por isso, vale a frase: é melhor prevenir do que remediar. Com alguns cuidados básicos na rotina de atividades físicas, é possível manter esse problema bem longe dos seus músculos.

Alongue-se

Uma forma de prevenir a distensão muscular é realizar alongamentos antes e após uma prática esportiva. Nunca esqueça de aquecer o seu corpo, principalmente antes de praticar uma corrida.

Conheça seu corpo

Respeitar as limitações do corpo e não exagerar na intensidade dos exercícios são atitudes indispensáveis para prevenir lesões. Por isso, evite correr uma distância que não esteja dentro do seu cronograma de treinos e aumente o peso na musculação aos poucos.

Fique atento a fatores externos

As condições climáticas interferem muito no seu desempenho durante os exercícios. Por isso, capriche mais nos alongamentos se o dia estiver muito frio. Também, repense a ideia de sair para correr na chuva, pois isso pode provocar uma queda. Utilizar sapatos confortáveis e com solados antiderrapantes podem ajudar nesse caso.

Pratique exercícios todos os dias

Realizar atividades físicas diariamente, com uma intensidade moderada, é mais benéfico para a saúde dos seus músculos do que praticar atividades intensas poucas vezes na semana.

A falsa ideia de compensar os dias que ficou parado com mais exercícios, pesos ou longas distâncias aumentam as chances de que eles sejam executados de forma inadequada, o que pode resultar em machucados.

Por isso, mantenha um ritmo saudável e capriche nas posturas e técnicas durante os exercícios. Essa é a melhor forma de melhorar o seu condicionamento físico e não sofrer distensões.

Faça pausas

Permanecer muito tempo em uma posição ou fazendo o mesmo exercício pode sobrecarregar os músculos. Por isso, faça pequenas pausas entre as séries para aliviar toda essa pressão. Você pode usar esse tempinho se para alongar — o que protege ainda mais os seus músculos.

Informe-se

Ter uma fonte de informação confiável sobre como prevenir lesões, além de métodos de tratamento eficientes para sua recuperação, é uma ótima maneira de proteger a sua saúde. Por isso, conte sempre conosco!

Agora que você já sabe o que é distensão muscular, suas causas, sintomas e como evitá-la, poderá manter a sua qualidade de vida e o astral lá em cima. E, caso se machuque, não desanime! Procure um médico para se recuperar e volte a praticar exercícios físicos!

E aí, gostou do nosso post? Quer receber conteúdos tão bacanas quanto este? Então, assine a nossa newsletter! Até a próxima!

Seguir Equipe Salvapé:

Fundada em 1938, a SalvaPé foi pioneira no mercado de produtos ortopédicos no Brasil. São mais de 80 anos trabalhando em parceria com os melhores profissionais da saúde do país para oferecer produtos com foco em inovação e qualidade. SalvaPé, desde 1938, Produtos Ortopédicos da Cabeça aos Pés.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *