Entenda o que é e como prevenir a lesão por esforço repetitivo!

postado em: Saúde | 0

Sabe aquela dor ou aquele incômodo persistente que se manifesta sempre no mesmo lugar, principalmente nos membros superiores? Em muitos casos, esse quadro ocorre em função de uma lesão por esforço repetitivo, problema bastante comum e que se relaciona com diversas causas rotineiras.

Também conhecida como LER, esse tipo de lesão, embora recorrente e bastante conhecida, ainda gera dúvidas sobre suas causas e formas de prevenção. Porém, requer atenção porque, além de provocar incômodos, pode causar limitações para as atividades do indivíduo. Afinal, os sintomas intensificam com o tempo, se as causas não forem combatidas.

Há quem acredite que a LER afete somente trabalhadores, mas isso não é verdade, porque ela também pode ocorrer em função de atividades de lazer. Por isso, preparamos este artigo para abordar mais detalhadamente esse assunto e mostrar para você de que maneira você pode prevenir-se. Continue lendo e aprenda a cuidar ainda melhor da sua saúde!

O que é lesão por esforço repetitivo?

A lesão por esforço repetitivo, ou síndrome dos movimentos repetitivos, também é conhecida por outras nomenclaturas, como:

  • DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho);
  • AMERT (Afecções Musculares Relacionadas ao Trabalho);
  •  LTC (Lesão por Trauma Cumulativo).

Esse problema não se caracteriza como uma doença de fato, mas se trata de uma nomenclatura utilizada para designar um conjunto de doenças que afetam tendões, nervos e músculos, em especial dos membros superiores. Algumas condições classificadas como LER são:

  • tendinite;
  • bursite;
  • tenossinovite;
  • síndrome do túnel do carpo;
  • epicondilite;
  • dedo em gatilho;
  • síndrome do pronador redondo;
  • síndrome do desfiladeiro torácico;
  • mialgias (dores).

Sendo assim, todas as condições que ocasionam uma sobrecarga no sistema musculoesquelético em função de movimentos constantes ou esforços, desencadeando dor, inflamação e o comprometimento funcional da região afetada, podem ser classificadas como uma lesão por esforço repetitivo.

Quais são as principias causas da LER?

Como seu próprio nome demonstra, a lesão por esforço repetitivo é causada principalmente pela realização constante da mesma movimentação. Esse esforço excessivo e contínuo acarreta uma agressão ao sistema musculoesquelético, que fica sobrecarregado e desencadeia sintomas. Alguns exemplos disso são:

  • utilizar o mouse;
  • jogar videogame;
  • digitar;
  • tocar um instrumento;
  • praticar esportes como golfe e tênis.

Mas também atividades manuais, como crochê, tricô e costura, podem exigir essa movimentação repetitiva, que deixa as estruturas dos membros cansadas. Porém, a LER também pode ser desencadeada por tarefas que exigem muita força para sua execução, como carregar pesos ou praticar musculação em excesso.

Até mesmo as vibrações são um fator de risco, sendo que operadores de britadeiras, por exemplo, podem desenvolver esse tipo de lesão. Ela também se relaciona com a postura inadequada e o estresse.

Sendo assim, diversas atividades podem desencadear essa síndrome, então não é correto relacioná-la somente com as atividades laborais, como se costuma. Ela não é uma condição que pode ser classificada exclusivamente como doença do trabalho.

É verdade que, em algumas profissões, há uma propensão maior para o desenvolvimento da LER, como para aqueles que trabalham com computador ou em linhas de montagem. Mas até mesmo atividades de lazer, tarefas domésticas e esportes caracterizam-se como fatores de risco, se não forem tomados os devidos cuidados para evitar a sobrecarga.

Como é feito o diagnóstico desse problema?

Não existe um exame específico que ajude a diagnosticar a lesão por esforço repetitivo. Na verdade, somente a análise clínica é suficiente para identificar essas condições. Nesse caso, além da conversa com o paciente para conhecer o seu histórico, hábitos e atividades, o profissional analisa os sintomas e as queixas do indivíduo.

A LER apresenta manifestações características que podem variar de intensidade e região, de acordo com o local afetado. Alguns sinais que indicam que a pessoa está apresentando esse problema são:

  • dores localizadas;
  • sensação de formigamento;
  • fadiga muscular;
  • dificuldade nos movimentos ou redução deles;
  • sensibilidade na região afetada;
  • alterações na temperatura do local;
  • perda de desempenho;
  • inflamações.

Por isso, até mesmo o próprio indivíduo pode identificar a lesão por esforço repetitivo. Basta prestar atenção ao local onde os incômodos se manifestam e observar se essa estrutura não está sendo sobrecarregada por suas atividades.

De toda forma, o diagnóstico preciso somente pode ser emitido por um profissional. Além disso, se você estiver manifestando sintomas de lesão por esforço repetitivo, é muito importante que procure um médico. Isso porque a tendência é de que esse problema se agrave, se não receber atenção.

As lesões evoluem, se a região afetada continuar sofrendo esforço ou sobrecarga. Se houver uma inflamação em início, e ela não receber o devido cuidado, também existe a possibilidade de se intensificar e causar ainda mais limitações.

No caso da tendinite, por exemplo, quando ela ocorre de maneira recorrente, pode evoluir para uma complicação denominada tenossinovite. Sendo assim, é muito importante obter o diagnóstico, fazer o tratamento e as mudanças recomendadas pelo profissional com o intuito de prevenir novos eventos.

Quais são as formas de prevenção da lesão por esforço repetitivo?

Atividades, hábitos e comportamentos estão diretamente relacionados com a LER. Sendo assim, pessoas que apresentam essa síndrome precisam rever suas práticas e o ambiente que utilizam para trabalhar, realizar suas tarefas ou ter os seus momentos de lazer.

A seguir, deixamos uma lista de recomendações para que você possa fazer adequações em seu dia a dia, a fim de evitar a lesão por esforço repetitivo. Confira:

  • Adote uma boa postura enquanto estiver sentado, mantendo a coluna ereta e em um encosto confortável;
  • evite manter os punhos constantemente dobrados;
  • utilize uma mobília adequada para a sua altura e atividade;
  • faça uma pausa a cada hora para alongar o seu corpo;
  • mantenha o organismo hidratado, bebendo bastante água;
  • utilize equipamentos de proteção, como digitala, munhequeiras e luvas;
  • pratique exercícios localizados para fortalecer as regiões mais exigidas.

A lesão por esforço repetitivo pode levar ao afastamento do trabalho e das atividades rotineiras, causando muitas limitações. Portanto, é fundamental que você adote medidas preventivas e sempre policie os seus hábitos e comportamentos. Assim, poderá corrigir suas atitudes para evitar que a síndrome se manifeste ou ocorram recidivas.

Você já teve algum tipo de LER? Adota algum cuidado diferente para evitar essa lesão? Deixe seu comentário e conte para a gente!

Seguir Equipe Salvapé:

Fundada em 1938, a SalvaPé foi pioneira no mercado de produtos ortopédicos no Brasil. São mais de 80 anos trabalhando em parceria com os melhores profissionais da saúde do país para oferecer produtos com foco em inovação e qualidade. SalvaPé, desde 1938, Produtos Ortopédicos da Cabeça aos Pés.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *